terça-feira, 23 de junho de 2009

A "DESTRUIÇÃO CONSTRUTIVA" DA HISTÓRIA

Universidade Estadual Vale do Acaraú- UVA
Curso de Licenciatura Específica em História
Trabalho de Filosofia
prof.: Jorge Alberto Rodrigues
Universitário: José Aroldo Gonzaga Arruda Filho

Síntese do texto: A "destruição construtiva" da História
de: Caroline Mitrovitch

Benjamin adota o tema da História segundo os vencidos, pois ela é registrada para impor a cultura dominante e não como forma fazer justiça àqueles que foram massacrados. Walter Benjamin, judeu de esquerda, exilado na França em plena 2a. Guerra Mundial, país que é invadido menos de 1 mês depois da Polônia e da rendição da Holanda e da Bélgica.

Em crise existencial grave, o holocausto de seu povo sob o regime nazo-facista, ele propõe que o historiador deva tomar partido dos humilahdos sempre; alegoricamente sendo um anjo vingador. Criticar o Positivismo na busca de um resgate dos não-citados, quebrando os ícones dominantes seria uma homenagem póstuma a quem a memória esqueceu, mais que isso até: uma revolução.

O historiador deveria, então, ser um iconoclasta, entretanto, o texto sugere o mesianismo como base das revoluções. Não é verdade, nas grandes revoluções há sempre questões políticas encobertas pelos temas democráticos de "liberdade, igualdade e fraternidade". Os ideais de uma classe são usados por uma segunda para que esta, logo após, se alie a uma terceira, contra a qual lutara antes.

A História não é mal contada por acaso e quem desejar reescrevê-la deve estar alerta para o perigo de fazê-lo. Outro problema é que as fontes dessa nova maneira de contar são difíceis de encontrar, quando não destruídas, logo, o historiador comprometido com um novo olhar não só investiga em pesguisa intensa como analisa os registros oficiais, permanecendo inconformado frente ao Porquê.

Antes de anjo da morte, herói, iconoclasta, filósofo ou cientista, quem busca compreender a realidade é um analista racional a procurar provas materiais, calculando os acontecimentos em teses lógicas, e que estas sejam testadas antes e depois do reconhecimento de eficácia.

Pacoti-Ceará
08/03/2008

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Aroldo Filho é Historiador, Literato, Letrista, Professor, Blogueiro e Jornalista Independente.

1º Lugar em Auto de Natal no Estado do Ceará, atuando na ocasião como o Rei-Mago Baltasar em 2004.

Criador, Idealizador e Presidente do Jornal Delfos-CE (desde 2007).

Criador e Idealizador da Associação Cultural SEMPRE-Segmento dos Estudiosos da Memória e Patrimônio Regional da Serra de Baturité (2008). 

Criador e Idealizador do 1° Arquivo Público do Interior do Nordeste (2009).

2° e 4° lugares,consecutivamente, no 1° e 2° concursos de poesia da comunidade do Orkut "Vamos Escrever um livro?"(2009 e 2010).

Criador da exposição histórica: "PACOTI: UMA HISTÓRIA EM DOCUMENTOS", aprovado pelo Banco do Nordeste (2010). 

Formou-se em Licenciatura Plena em História (2010).

Sócio do Instituto Desenvolver (2011).

Trabalhou para o Governo do Estado do Ceará como pesquisador no Porto do Pecém (2011). 

Ministrou aulas de História, Geografia, Arte e Religião em Pacoti e em Guaramiranga, no Colégio São Luís, na Escola Menezes Pimentel e na Escola Linha da Serra (entre 2008 a 2015).

2° Lugar em concurso de pensamento na comunidade "Grupo de Poesia" no Facebook (2012).

Participa como um dos autores dos e-books "Por onde andei?" e "Quem sou?" realizados pelo Balcão de Poemas, edição de Wasil Sacharuck.

Publica entrevistas, notícias, contos, crônicas, poesias, fábulas, romances, artigos, peça teatral e letra de música em 32 blogs desde 2005.

Recebeu a Comenda Domitila por Mérito Literário, da SECULDT-Secretaria de Cultura, Turismo e Desporto de Pacoti (2016).

Passou na seleção para o livro "Prêmio Literário Nacional Concurso Novos Poetas", da Editora "Vivara", 250 poetas escolhidos dentre 2.370 inscritos no país. (2016).

Concluiu Pós-Graduação em Gestão Escolar (2016)